Natal: Passeio de Buggy pelo Litoral Norte

O primeiro passeio que fizemos saindo de Natal foi o passeio de Buggy pelo Litoral Norte. Nós fechamos esse passeio com a agência MarAzul quando ainda estávamos no Rio. Como já contamos, tivemos alguns problemas com a agência, mas nada que prejudicasse os passeios.

Então, no dia e horário combinado, o Cristian, bugueiro da MarAzul estava em nosso hotel. Por coincidência ou não, o casal que faria o passeio de buggy conosco estava hospedado no mesmo hotel, por isso, não tivemos que passar nem nenhum outro lugar. Então, logo demos inicio ao nosso passeio.

Nosso passeio de Buggy pelo Litoral Norte saiu da Praia de Ponta Negra em direção a praia da Redinha, que é uma antiga vila de pescadores, passamos por Santa Rita até chegarmos, finalmente a Genipabu.

Antes de chegarmos a praia da Redinha, o Cristian perguntou se gostaríamos de parar no Áquario de Natal, essa parada não estava no roteiro, mas ele não se importava e fazê-la. Como nós já tínhamos ido e o casal que estava conosco não se animou, seguimos em direção a nossa primeira parada.

Área de Proteção Ambiental das Dunas de Genipabu
Nossa primeira parada foi na Lagoa das Dunas de Genipabu, que é uma área de proteção ambiental. O Cristian parou o buggy a alguns metros de distância da Lagoa. Nós seguimos o fluxo de turistas e nos deparamos com uma linda vista de uma lagoa no meio de um monte de dunas de areia.

Passeio_Buggy_Natal-2

Passeio_Buggy_Natal-3

Nesse espaço, não é possível tomar banho. A parada é apenas para vermos esse pequeno oásis e tirarmos fotos, algo muito importante para os locais. Pois, desde que descemos do buggy até o retorno a ele, fomos abordados por locais que ofereciam seus serviços para nos auxiliar com as fotos. Eles tinham tanto domínio da atividade que contavam com vários itens para tornar as fotos mais interessantes como: jegues, latinhas de coca-cola e poses já marcadas naquelas dunas.

Os locais não cobram pelo serviço, apenas pedem para que as pessoas deem o quanto acham que valeu o trabalho deles. Nessa parada ainda nos refrescamos com água de coco.

Passeio de dromedário em Genipabu
Saímos da Lagoa de Genipabu em direção a nossa segunda parada, a Lagoa de Pitangui. Entretanto, no meio do caminho poderíamos fazer uma parada para um passeio extra: o passeio de dromedário.

Passeio_Buggy_Natal-5

Quando íamos nos aproximando o Cristian falou um pouco do passeio e nos informou o preço. Foi, então, que tivemos um problema. Nós estávamos acostumados a ouvir os preços por pessoa.Então, ficamos bem surpresos quando ele disse o valor, mas como dezembro é alta temporada, pensamos que estava bem caro por causa disso. Só depois nos demos conta que o valor era por casal. Nós já tínhamos saído do local e não havia mais como voltar, então,acabamos arrependidos por não termos feito o passeio.

Aluguel de carro

Percurso até a Lagoa de Pitangui
Para chegarmos até a Lagoa de Pitangui, percorremos um longo caminho na beira da praia. Durante esse percurso, o Cristian nos contou porque o passeio é feito por dunas móveis. Como pudemos comprovar, Natal é uma cidade que conta com ventos fortes e as dunas são formadas por areias bem fininhas. A ação desses ventos fazem com que as dunas sejam sempre diferente de um dia para o outro, por isso, móveis. As dunas mudam de local devido a ação do vento.

Passeio_Buggy_Natal-7

Toda essa explicação foi facilmente visualizada quando nos deparamos com uma casa que foi construída um pouco mais a frente das outras e que estava totalmente coberta de areia por conta da ação dos ventos.

Para chegar até a Lagoa de Pitangui é necessário atravessar a Barra do rio Ceará-Mirim, em balsas rústicas como as que já tínhamos usado em Pipa.

Passeio_Buggy_Natal-8

Lagoa de Pitangui
Essa foi nossa terceira parada, na Lagoa de Pitangui é como se fosse um pequeno clube no meio das dunas. Ao entrar, temos acesso a algumas barracas que vendem lembrancinhas, barracas que pertencem aos bares em volta da Lagoa e, que tem consumação minima e atrações para crianças como pula-pula e tirolesa.

Passeio_Buggy_Natal-14

Passeio_Buggy_Natal-13

Passeio_Buggy_Natal-12

Achamos o local bastante agradável e ótimo para relaxar.

Dunas de Pitangui
De repente, quando saímos da Lagoa de Pitangui em direção a próxima parada, percebemos o que é fazer passeio de buggy com emoção. Sem ao menos perguntar se gostaríamos do passeio com emoção ou sem, o Cristian começou a fazer altas manobras nas dunas. Se ele tivesse nos perguntado, nós teríamos dito com emoção, então, não tivemos problema algum com todas as manobras.

Mas, apenas, quando chegamos ao final daquelas imensas dunas percebemos o motivo de todas as manobras. Ali, no meio daquele Saara Nordestino, havia uma fotografa profissional que batia foto da sequencia de manobras do Cristian. Nós compramos o DVD com as fotos, dividido com o casal do hotel, mas achamos que o Cristian podia ter avisado, teríamos saído olhando para as fotos.

IMG_0011

Depois dessa emoção, fizemos mais uma parada com uma opção extra. Em cima, das Dunas de Pitangui, mas com vista para a praia, havia uns locais que tinham animais como iguanas e um mico para batermos fotos. Dessa vez, resolvemos que não valia a pena. Achamos que já tínhamos extrapolado as nossas cotas de fotos com bichinhos esquisitos depois do Zoo de Lújan

Neste momento, o Cristian nos parou e perguntou se tínhamos interesse em acrescentar um trajeto que não estava incluído no percurso fechado com a agência MarAzul. De acordo com ele, ele nos levaria à um local mais deserto das dunas, onde há formações de pedras diferentes e depois poderíamos descer uma trilha pelo rio ou então, seguiríamos com ele de buggy até o final do rio onde poderíamos apreciar sucos da região. Nós topamos e o outro casal acabou tendo que topar também.

Passeio_Buggy_Natal-17

No caminho, vimos várias formações muito interessantes. Só por essa vista achamos que incluir esse pequeno trajeto valeu a pena. Logo que descemos do buggy e vimos o pequeno rio que iria nos levar ao ponto de encontro com o Cristian ficamos um pouco receosos em descer. Mas como somos bastante aventureiros, vencemos o medo da areia quente e descemos. A areia estava realmente muito quente. Mas acreditamos que valeu a pena. Vimos pequenos peixinhos e uma aranha em nosso percurso.

Passeio_Buggy_Natal-21

Passeio_Buggy_Natal-18

Passeio_Buggy_Natal-22

O casal que estava conosco era menos aventureiro e seguiu o trajeto com o Cristian. Ao nos encontrarmos com ele, uns 40 minutos depois, seguimos para nossas duas últimas paradas antes do almoço.

Eskibunda e Aerobunda
O eskibunda e o aerobunda são feitos na Lagoa de Jacumã. Apenas a Tati fez o eskibunda. A descida é feita numa prancha de madeira que desliza do topo da duna até a lagoa. Existem duas opções de descida: soltando a corda aos poucos ou de uma vez só. Lógico, que ela escolheu de uma vez só e foi muito boa a sensação de velocidade.

Passeio_Buggy_Natal-25

Nesta lagoa não há problema em não saber nada, pois é possível colocar os pés no chão. Para voltar, há um pequeno transporte.

Já o aerobunda foi feito apenas pelo Bruno. Nessa lagoa é feita uma atividade parecida com uma tirolesa, mas não é possível colocar os pés no chão. Mas uma balsa pega todos os que fazem a atividade e não sabem nadar. O Bruno gostou tanto que quase foi uma segunda vez.

Passeio_Buggy_Natal-26

Na parada do aerobunda, é possível se deliciar com um espetinho de camarão. Mas como a nossa próxima parada seria no restaurante, resolvemos não experimentar.

Que tal seguir a gente no Instagram tem muitas fotos rolando por lá!

Dados Financeiro:
Passeio de Buggy: R$ 80,00 por pessoa
Passeio de Dromedário: R$ 100,00 o casal
Fotos Avulsas: R$ 10,00 (em média)
Trecho extra no percurso: R$ 20,00 por casal
Fotos em DVD: R$ 30,00
Esquibunda e Aerobunda: R$ 10,00 por descida

Viagem realizada em Dezembro de 2013.

LEIA MAIS:
Pipa: Passeio de Buggy
Pipa: Sole Mio
Pipa: Arvorismo e Tirolesa

Posted in AMERICA DO SUL, AVENTURA, BRASIL, NATAL, RIO GRANDE DO NORTE and tagged , , , , , , .
Tatiane Dias

Tatiane Dias

A cada dia me desapego mais e mais de bens materiais. A vida nos mostra que mais importante que ter é viver. Por isso, cada brecha que temos já começo a pensar em algum lugar pra ir seja no Rio ou fora dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *